Entre em contato

© GD Solutions. Todos os direitos reservado. By Next4.

Quais os prós e contras de gerenciar sua TI com um analista interno?

Quais os prós e contras de gerenciar sua TI com um analista interno?

No ambiente corporativo, a tecnologia muitas vezes é vista como uma fonte de altos custos para as empresas. No entanto, com uma boa gestão, analistas de TI podem tornar equipamentos e sistemas mais eficientes, tornando as soluções digitais uma parte fundamental das estratégias comerciais da companhia.

A contratação de um profissional especializado traz mais competitividade para empresas de diversos ramos de atuação. O analista de TI atuará auxiliando usuários, realizando mudanças no ambiente digital, tornando rotinas de manutenção mais eficientes e adequando toda a infraestrutura tecnológica da companhia de acordo com o seu perfil de atuação. Como consequência, a empresa terá sistemas e dispositivos computacionais e de rede trabalhando mais integrados às operações internas da companhia.

Ficou interessado no assunto? Então leia o nosso post de hoje e saiba mais sobre as vantagens que esse tipo de profissional trará para a empresa!

Principais vantagens de um analista interno

A flexibilização dos modelos de negócio na área de tecnologia abriu a porta para pequenas e médias empresas conseguirem utilizar serviços complexos sem a necessidade de grandes investimentos. Soluções de cloud computing e Big Data tornaram companhias mais competitivas e inovadoras. No entanto, o sucesso de uma estratégia de TI avançada depende de uma boa gestão de TI.

Muitas empresas optam por contratar um profissional para fazer a análise e otimização das suas soluções digitais. Essa solução possui diferenças profundas quando comparada à terceirização.

Uma das bases da gestão de TI eficiente é a integração dos processos digitais com as rotinas operacionais da companhia. O analista de TI interno consegue executar essa tarefa com mais eficiência em função do seu vínculo mais profundo com a companhia. Políticas e melhorias se adaptarão mais facilmente ao perfil corporativo da empresa, tornando-a mais competitiva.

O maior vínculo com a empresa também auxiliará na criação de políticas de segurança digital. Administradores conseguirão colocar os seus dados mais importantes nas mãos de alguém que eles conhecem, tornando a implantação dessas medidas mais simples.

Principais desvantagens de um analista interno

A crise econômica trouxe uma série de desafios para as companhias que dependem da tecnologia para que os seus processos internos sejam executados com eficiência. Isso impulsionou a busca por modelos de negócios mais inovadores e alternativos, como o SaaS (software como serviço, em português) e a terceirização de serviços de gerenciamento de TI.

A contratação de um analista interno torna-se desvantajosa por diversas razões. Um profissional fixo deverá passar por uma série de treinamentos para se adequar aos processos internos da empresa. Isso será incorporado aos custos da contratação direta que, no geral, são maiores se comparados aos da terceirização.

Não possuir um profissional de TI terceirizado também poderá ser um problema durante períodos em que o profissional interno precisar se ausentar da companhia. Nos processos de outsourcing, a empresa não só terá sempre acesso a profissional altamente qualificado, mas também poderá aumentar ou diminuir a sua equipe sempre que for necessário com baixa burocracia.

Tornando empresas mais dinâmicas e eficientes

Ter uma política de gestão de TI é indispensável para qualquer empresa que pretende incorporar a tecnologia ao seu core business. Justamente por isso ela deve ser desenvolvida por profissionais qualificados e capazes de fornecerem as melhores soluções para os problemas diários de uma empresa.

O bom analista de TI consegue tornar empresas mais inovadoras sem necessariamente influenciar nos custos orçamentários do setor. Independentemente do modelo de contrato escolhido pela empresa, é necessário que o analista de TI seja capaz de tornar a tecnologia mais viável e adequada ao perfil da corporação, sem deixar de lado os altos custos do setor e o potencial do retorno do investimento.

Agora queremos saber a sua opinião: você prefere modelos de contratação direta ou terceirizada? Compartilhe suas ideias no espaço de comentários!