Com a transformação digital e a importância cada vez maior dos dados para a gestão nas empresas, as estratégias de segurança ganham um papel extremamente relevante dentro das organizações. Além de todas as ameaças às quais tais informações estão sujeitas, os gestores também devem estar atentos quanto às normas regulamentadoras específicas para a sua proteção, como a LGPD — Lei Geral de Proteção de Dados.

Com a gestão das empresas cada vez mais dependente dos dados e dos sistemas, os criminosos virtuais estão criando estratégias sofisticadas para tentar roubar ou sequestrar essas informações. Em relação à LGPD, se a empresa descumprir a regulamentação, pode levar uma multa milionária.

Isso significa que a negligência em relação à proteção de dados pode causar prejuízos financeiros e de credibilidade para a corporação. Por isso, neste post, vamos entender por que devemos garantir a proteção de dados na empresa. Confira!

Quais são as principais ameaças à segurança da informação?

Para entendermos a importância de investir na proteção dos dados, vamos conhecer as principais ameaças que preocupam os gestores. São ataques dos mais diversos tipos, que utilizam várias tecnologias e metodologias de invasão.

DDoS

O ataque DDoS tem como objetivo inutilizar um servidor, uma infraestrutura ou um sistema, causando interrupções de serviço. Isso pode, por exemplo, afetar a produtividade — que depende de um sistema para funcionar — ou travar o servidor de um e-commerce em uma data importante, causando prejuízos enormes.

A mecânica desse ataque consiste em sobrecarregar o sistema com um excesso de requisições, seja com múltiplos acessos ao site, consumindo todo o tráfego do servidor, seja travando a banda larga, consumindo todo o recurso de um sistema.

Scan

O ataque Scan tem como foco quebrar a confidencialidade para ter acesso a detalhe dos dispositivos que fazem parte de uma rede. O objetivo é identificar potenciais alvos para realizar ataques mais profundos. A melhor maneira de se prevenir contra esse tipo de ataque é com a utilização de um bom firewall, além de contar com uma boa configuração de rede.

Antivírus falsos

Essa ameaça aposta no desconhecimento de alguns gestores de pequenas e médias empresas, que não contam com uma governança de TI e um bom controle de ativos.

Ao acessar sites de procedência duvidosa, tanto no smartphone como no PC, o usuário poderá ser redirecionado a uma página falsa, que traz um alerta dizendo que o antivírus do computador ou celular está desatualizado ou ausente e que o dispositivo está vulnerável.

Nessa mesma página, é oferecido como solução um antivírus falso, que simula uma marca verdadeira, para que o usuário faça um suposto rastreamento das ameaças e limpe o seu dispositivo. Quando a pessoa baixa a instala o falso antivírus, tem o seu computador dominado, e o criminoso fica livre para executar uma série de ataques — entre eles, o ransomware.

Ransomware

Um dos ataques mais nocivos, o Ransomware está tirando o sono de muitos gestores de TI. O foco desse tipo de ataque é a extorsão. Basicamente, ele consiste no bloqueio do acesso aos dados ou ao sistema corporativo, em uma espécie de sequestro. Os criminosos exigem um valor, geralmente em criptomoeda, para liberar o acesso ao sistema.

O ideal é que a empresa tenha métodos de prevenção para esse tipo de ataque, como a criação de backup em redundância. Além disso, não é recomendável fazer o pagamento, pois, além de não haver garantia de que os dados serão recuperados, o pagamento pode estimular outros criminosos a agir.

Phishing

Os ataques de phishing são passivos. Neles, o usuário é atraído por um e-mail que parece ser confiável — simulando instituições bancárias, correios, empresas de transações online etc. — e acaba inserindo informações confidenciais ou clicando em algum link malicioso.

Apesar de ser uma tática antiga, ainda está sendo aplicada de forma massiva, pois, na correria do dia a dia, nem sempre analisamos minuciosamente todos os e-mails que recebemos.

Como reduzir o risco de ataques aos dados corporativos?

Agora que já conhecemos os principais ataques aos quais uma empresa está sujeita, vamos entender os procedimentos que devem ser adotados para garantir a proteção dos dados. Acompanhe.

Implemente um controle de acessos

A maioria dos problemas de segurança que assolam os sistemas corporativos é causada por falha humana — por desconhecimento, negligência ou até fraude. Sendo assim, uma das principais maneiras de reduzir o risco de segurança é com a criação de uma política de acesso, limitando a ação de cada colaborador de acordo com a necessidade de seu cargo.

Quanto menos colaboradores tiverem acesso ao sistema inteiro, menor serão as portas de entrada para os ataques. Além disso, ficará mais fácil para o gestor rastrear as movimentações e, em caso de ataques, descobrir por qual aceso ele se iniciou.

Implemente uma política de segurança

Mais do que se preocupar com a proteção dos dados, é importante que o gestor crie e documente um procedimento de segurança corporativo. Essa política de segurança se tornará mais eficaz quando os profissionais passarem a trabalhar com foco em prevenção.

Para garantir a aplicação e execução, é mais seguro criar uma política enxuta, mas que atinja os pontos críticos, do que uma mais abrangente e que se torne inviável de ser aplicada.

Contrate um suporte especializado

Falamos sobre a criação de políticas de acesso e de segurança, e a importância que elas têm para a proteção de dados. Porém, entendemos que, para as pequenas e médias empresas, o mais importante é focar no core business. Sendo assim, nem sempre é possível alocar uma parte do orçamento na contratação de uma equipe de TI interna para garantir a segurança dos dados.

Nesse cenário, a melhor solução é a contratação de uma equipe de suporte terceirizado, permitindo que o gestor mantenha o foco nos negócios e, ao mesmo tempo, conte com uma equipe especializada e pronta para cuidar de sua infraestrutura de TI.

Como vimos, a proteção de dados corporativos demanda uma mudança de cultura dentro da empresa, com foco em prevenção e controle de acesso. Além disso, é importante que ela esteja aberta para trabalhar com parceiros especializados em segurança da informação. Assim, será possível manter foco no core business e, ao mesmo tempo, contar com um suporte de qualidade.

Gostou do post? Então, continue conosco e veja como fazer a migração de data center com segurança.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário